lógica ilógica →←

Houdini 101

Posted in "devaneio", "pessoal" by lucasrsrs on 19 de abril de 2012

Se um mágico faz a mesma mágica vezes demais, mas ninguém descobre o truque, o público tem quatro opções:

1 – Pedir pra ele contar o truque, coisa que ele não vai fazer.
2 – Pedir pra ele repetir até você entender.
3 – Desistir e nunca mais pensar sobre o assunto.
4 – Dizer que é magia de verdade e chamar o Fantástico.

Pessoas comuns quase sempre recorrem a nº3. E pessoas comuns sempre esperam não estar rodeadas de pessoas comuns. Então sempre há quem espere que alguém peça o número 1 ou 2. Os mais engraçadinhos, religiosos ou niilistas vão atrás do número 4.

Eu sempre tive a esperança de ser o mágico, mas sei que isso é circunstancial.
Mas se não sou eu, tenho andado com um coelho na cartola à toa?

Anúncios

Pedras em todas as mãos.

Posted in "devaneio", "pessoal" by lucasrsrs on 4 de maio de 2010

tenho vinho no lugar do sangue;
tenho sangue no lugar do coração.
tenho coração no lugar do cérebro
e o cérebro enjarrado em vinho, em algum lugar desse quarto.

Antes fosse.

Posted in "devaneio", "pessoal" by lucasrsrs on 2 de dezembro de 2009

Não importa o que te digam. A vida é uma merda.

Eu sei disso porque já passei por muita coisa. Vi o mundo mudar de mais. A única coisa que se manteve presente em toda minha vida foi isso: o tempo todo, eu ‘tava reclamando de alguma coisa. Nunca é bom o suficiente. Não, não tem nada a ver comigo. Sempre tem algo errado com o mundo. E é exatamente aí que você vai encontrar refúgio se sua vida estiver uma maravilha: na empatia. No resto do mundo. Você vai descobrir que alguém está mal, e ficar mal com ela. Isso é bom. Isso te torna humano. Não se culpe por isso, meu neto. Não muda nada. O importante é enxergar além desse peso. É medir as coisas boas como mais ‘pesadas’ que as ruins. Porque é isso que vai ficar no final, isso eu posso dizer. Se o final é bom, você só vai lembrar das coisas boas. Se o final é ruim…bem…eu não faço idéia. Acho que vou ter que viver de novo p’ra saber saber disso, n’é?

Bem, é isso. Se eu pudesse deixar uma mensagem pra você, seria esta: Seja feliz. Mesmo que a vida seja uma merda, apegue-se aos bons momentos e seja feliz.

– Álvaro.
(ou qualquer um.)

Sem velas.

Posted in "devaneio" by lucasrsrs on 3 de novembro de 2009

A atmosfera afogava. Parecia estar revivendo o útero. Ouvia os secos gritos amanhã, e a respiração ofegava. Agonizava.

Os sinos batiam a meia-noite, e o som ecoava pelos telhados e labirintos, entrando incômodo em seus ouvidos. Meia-noite e um. Cada músculo, cada osso, cada tendão latejava de dor. Uma lágrima se manuscrevia por seu rosto pálido e frio. No entanto, a gravidade hesita em torná-la realidade.

A insônia envolve com desespero e ansiedade pelo dia seguinte. A vida começa a se fomentar ao redor do feto. O verde se estabelece não só nas paredes brancas e pálidas como sua pele, mas também pela própria pele, assustada com o som a sua volta, substituindo o silêncio, ela abre os olhos cansados.

Observa brotar o dia no quarto, pelos poros da cortina. O sol é preguiçoso ao atravessar cada milímetro… a impaciência cresce…cresc…cres…cre…cr…c…

Feliz, finalmente ela adentra o reino tangencial que deveria ter encontrado antes, só não sabia onde procurar. A melhor sensação sentida, mas jamais lembrada. Então, nesse céu, agora nublado e escurecido, estoura um trovão, que a envia de volta à angústia, à antipatia, à monotonia e à enxaqueca.

Meia-noite e três.

Só então, ela nota de fato não lembrar. Só então, ela pendura o pescoço no lustre da sala. Só então, sua impaciência some.